Quarta-feira, 16 de Abril de 2014
DURÃO BARROSO SEGUNDO JOSÉ ANTÓNIO SARAIVA



Numa manhã de Junho de 2004 recebi uma chamada telefónica de Durão Barroso.

Disse-me que Jacques Chirac, o Presidente francês, acabava de lhe comunicar o seu apoio para presidente da Comissão Europeia - e esse apoio, somado aos incentivos para avançar que tinha recebido de outros chefes de Governo, garantia-lhe a escolha para o cargo.

Eu era das primeiras pessoas a quem ele falava depois do telefonema de Chirac - e queria saber a minha opinião.

Disse-lhe espontaneamente que deveria aceitar. «Esse é um cavalo que não passa duas vezes à mesma porta» - comentei.

Contrapôs-me que não podia pensar só nos seus interesses, porque acima de tudo estava o interesse do país.

E adiantou que iriam acusá-lo de fugir às responsabilidades e à crise aqui em Portugal.

Respondi-lhe qualquer coisa como: «Nos cá nos arranjaremos. Mas muito dificilmente haverá nova oportunidade de um português ser presidente da Comissão Europeia».

Nunca pensei que a sua decisão de aceitar o lugar provocasse tantas reacções negativas em Portugal.

Não previ que o acusassem tanto de ter «fugido» - pois, de facto, não fugiu a nada: foi convidado para um cargo notoriamente mais importante e aceitou.

Julguei, também, que o nacionalismo falasse mais alto.

Em geral, nós orgulhamo-nos do sucesso dos portugueses no estrangeiro - seja de António Damásio ou de José Mourinho.

Mas com Durão Barroso sucedeu o contrário.

Uma das primeiras vozes a atacá-lo foi Mário Soares - que falhara a eleição para presidente do Parlamento Europeu, derrotado pela francesa Nicole Fontaine, e não lidou bem com o sucesso de Barroso.

Mas aqui tratava-se claramente de despeito: depois de um insucesso internacional, Soares tinha dificuldade em aceitar que Barroso fosse escolhido para desempenhar um cargo europeu, ainda por cima muito mais importante.

Mas, se a reacção de Soares podia ser levada à conta de uma questão pessoal, atrás dele vieram outros socialistas engrossar o coro.

Não tardou muito para começarem a dizer que faltava liderança à Europa, que não havia grandes figuras, que Merkel punha e dispunha, etc. - o que, mesmo quando o nome de Barroso não era referido, comportava uma crítica implícita ao seu desempenho.

Queriam talvez que ele partisse a louça, que cortasse relações com a 'senhora Merkel' e desse o grito do Ipiranga, liderando uma revolta com origem no Berlaymont.

Era a eterna incapacidade dos socialistas para avaliarem a realidade, caminhando invariavelmente de ilusão em ilusão.

Diga-se em abono da verdade que nem só os socialistas o atacaram.

Destacados militantes do seu partido, como Santana Lopes ou Marcelo Rebelo de Sousa - este mais sibilinamente -, foram-lhe sempre lançando uns dardos envenenados, na expectativa de que poderiam vir um dia a enfrentá-lo.

Agora, é Sócrates que vem falar de um «mandato medíocre» de Barroso na Comissão Europeia.

Será mesmo?

Esta crítica segue-se a uma entrevista em que Barroso disse o que não devia, pondo-se a comentar a política interna portuguesa.

Não faz qualquer sentido, de facto, um alto funcionário europeu emitir juízos de valor sobre questões internas de um Estado-membro.

Ao falar de Sócrates, de Manuela Ferreira Leite, de Bagão Félix, de Constâncio, Durão Barroso pisou o risco.

Isso não legitima, porém, um ataque de sentido oposto, ou seja, ao seu trabalho à frente da Comissão.

Mas como foi, então, o mandato de Barroso em Bruxelas?

Primeiro, convém precisar que não foi 'um mandato' mas sim dois: depois do 'super-Delors', Durão Barroso é o primeiro presidente da Comissão Europeia a cumprir dois mandatos.

E isso quer logo dizer alguma coisa.

Outros só fizeram um mandato ou nem sequer o completaram…

Depois, Durão desempenhou o cargo em circunstâncias dificílimas, num tempo de problemas financeiros e sociais sem precedentes na Europa comunitária, com Grécia, Chipre, Portugal, Irlanda, Itália e Espanha a enfrentarem crises tremendas e com o eixo Paris-Berlim a fazer uma enorme pressão para se impor.

E neste período assistiu-se, ainda, ao despertar da Rússia.

Ora, com tudo isto a acontecer, muita boa gente previu que a União Europeia fosse implodir ou pelo menos se dividisse entre Norte e Sul, que o euro rebentasse, que Portugal e a Grécia tivessem de sair, etc.

Mas nada disto aconteceu.

No momento em que Durão Barroso deixa o cargo, a Europa apesar de tudo continua unida, o euro resistiu e permanece forte, e - last but not least - a Comissão fez um trabalho limpo, sem escândalos a manchá-lo.

Muitos dos que falam destes assuntos não fazem a mais pequena ideia do que significa o esforço de coordenação política de 28 Estados, muitas vezes com interesses divergentes, com objectivos contraditórios e com eleitorados nacionais a pressionarem os governantes num sentido não europeísta.

É um trabalho homérico, do qual Barroso saiu por cima, respeitado pelos seus pares.

As críticas a Durão Barroso dizem muito sobre aquilo que somos.

Por um lado, somos politicamente fanáticos: a esquerda, pelo simples facto de o ser, tinha de atacar Barroso.

Por outro lado, somos incorrigivelmente invejosos, como já notava Camões.

Ao longo dos últimos 10 anos, todos os pretextos foram bons para desvalorizar a sua função e o seu trabalho.

E isto é deveras original.

Se o presidente da Comissão Europeia fosse um espanhol, seria normal haver tantos espanhóis a atacarem-no, inclusivamente um ex-chefe do Governo?

Na maior parte dos países, a solidariedade nacional funciona.

Em Portugal, a politiquice e a inveja falam mais alto.

tags:

publicado por citando às 13:01
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

A SUCESSÃO EM ESPANHA

APELO À PAZ

A SINCERIDADE DE RICARDO ...

PS: CONGRESSO OU NÃO?

JORGE JESUS NO BENFICA

POR RAQUEL ABECASSIS

ANTÓNIO COSTA A AVANÇAR: ...

APÓS AS EUROPEIAS.... NAD...

SEGUNDO MÁRIO SOARES

MUDANÇAS APROXIMAM -SE?

arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub